Rússia reabre mercado para carne bovina do Brasil

1 de novembro de 2018

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou que a Rússia reabriu o mercado para carnes suína e bovina do Brasil. Direto de Dubai, nos Emirados Árabes, ele agradeceu, em vídeo, ao presidente Michel Temer por ter "se empenhado pessoalmente e a todos os produtores e frigoríficos", além de seu time no ministério e à equipe diplomática no mercado russo. "É difícil abrir mercado, fácil perder mercado, muito mais difícil reconquistar os mercados. Então, estamos todos muito felizes hoje", afirmou. Maggi segue em missão rumo à China, onde participará de evento em Xangai. O ministro  recebeu na última quarta-feira (31) o comunicado oficial do Serviço Sanitário Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária (Rosselkhoznadzor), e comemorou a decisão "tomada depois de vários meses de negociações".

O documento russo informa que "é possível remover as restrições impostas a todas as empresas exportadoras, levando em conta a análise das medidas adotadas pelo Brasil e as garantias fornecidas pela Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do ministério, sobre o cumprimento das condições de produção e vendas de produtos de empresas brasileiras". O serviço sanitário russo também analisou os resultados dos estudos laboratoriais de produtos elaborados por empresas brasileiras.

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Luis Rangel, explica que "foi feito um trabalho intenso de rastreabilidade e segregação na produção para atender aos requisitos do mercado russo, embora a ractopamina seja um produto seguro". Todas as medidas adotadas foram acompanhadas de trabalhos técnicos e de discussões com as autoridades sanitárias russas. "Esperamos que o setor privado entenda que as ações de certificação e segregação são necessárias para preservar este mercado", alertou Rangel. Conforme o secretário "o ministério sempre estará preparado para discutir tecnicamente com os russos, mas as garantias que devem ser dadas ao longo da cadeia produtiva são de responsabilidade do produtor e do frigorífico".

O secretário espera que com a retomada das exportações as empresas adquiram o fôlego que perderam ao longo de 2018 com a greve dos caminhoneiros e com o consequente desabastecimento causado pela paralisação.

O embargo russo se deu em 2017 por causa da presença de ractopamina em produtos de origem animal oriundos de quatro plantas frigoríficas do Brasil. A ractopamina, que não causa danos à saúde, é uma substância permitida no Brasil, mas proibida na Rússia. 

Fonte: MAPA